sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

O clichê indie

Li uma coisa hoje na TramaVirtual que me lembrou aquela camiseta (tem que clicar). É um trecho do Impressão Digital com o Denis Fujito, da banda Homiepie. Colo aqui:


Banda mais legal hoje

Little Knock Knock. Ouvi rumores sobre uma nova banda do litoral norte de SP. A banda é meio conceitual e não circula suas músicas pela internet. Ou você já ouviu ao vivo ou nunca ouviu nada. Eles têm influência da música negra, um quê de Fat Family, misturam isso com o que de mais moderno houve no Brasil recentemente, uma familiar pitada de CSS, e fazem algo muito arejado. Pela foto, eu acho que eles são irmãos, mas não são obesos, ainda.


Nesse caso, é a própria banda que parece fazer questão de que seus fãs sejam únicos, no sentido literal da palavra. É claro que é o conceito deles, e não uma relação direta com a "camiseta". É curioso uma banda ir na contramão da ampla e livre disseminação da cultura pela internet, me faz pensar em várias coisas.
Essa coisa de indie fazer questão de conhecer bandas que nenhuma outra pessoa conhece dá muita discussão, e eu deixo para quem quiser fazê-la nos comentários.



PS.: Para evitar quaisquer interpretações erradas, explicito que isto não é uma crítica ao Denis, à Homiepie, à TramaVirtual, ao Little Knock Knock, às pessoas que matam bandas e a qualquer um que pense que este foi um post ofensivo.

6 comentários:

macaco disse...

essa banda tá me intrigando bastante também... qual que é a desses caras?!?

bong disse...

Eu consegui um link pro EP do Little Knock Knock, achei incrivel que em minutos tinham tirado o link do ar!

Patoberg disse...

Eu tenho uma amiga que namora um dos caras e parece que disco está sendo mixado... o que tem pela internet ainda não é a versão final. Mas segundo ela... é incrivel.

Anônimo disse...

Achei legal essa idéia de fazerem só shows. Assim não há problema com a pirataria e nem com gravadora e eles se focam na apresentação, apesar de nunca ter visto...

Alguém sabe quando e onde vão tocar em SP?

Taís Oliveira disse...

Mas é um jeito de restringir o público também né?
Acho que o jeito de matar a curiosidade é chamando eles pra tocar na sua cidade... ou esperar o cd.

Yellow Submarine disse...

Foi assim no começo de tudo, via boca à boca e por shows...
A parte ruim é q a banda acaba se tornando "limitada" a certos públicos, como um cara do Acre vai saber que a banda é boa msmo pra ir aos shows?

Por outro lado, a parte positiva é que acaba ñ sendo uma banda "pra vender" somente!