segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Jesus não me ama (mais Kings of Leon)

Depois de umas musiquinhas aqui, um videozinho ali, vazou todo o Only By The Night, do Kings of Leon. O link para baixar está aqui, disponibilizado pela querida Cris Foxcat, e para quem me pediu (oi? Flávia) algumas músicas vale clicar para conhecer um pouco. Eu ainda não ouvi porque o que baixei está perdido no meu computador, então não posso opinar.
Versão britânica da capa

Então que acabei de ganhar a edição desta semana da NME e quem estava na capa? O Kings of Leon, claro. Destaque para o bigode da matéria dentro da revista: "The brothers Followill are back in the UK with a new album, new sound and new outlook. But will Kings of Leon' s new-found maturity destroy them?". O que a NME fez foi dizer o que eu tentei no post anterior de uma maneira dez mil vezes melhor e mais organizada. A banda conta que eles não são mais os viciados em cocaína e mulheres que eram antes (lembra daquela história deles no Brasil, que o Lúcio Ribeiro adora contar?). O baterista Nathan explica que não é mais sexo, drogas e rock'n'roll. "It's like, sex, work, drugs, a little more work... and then rock'n'roll". Entendeu?
O amadurecimento da banda não se resume a trocar o pó pela bebida e gravar um disco sem brigar porque pegou aquela mulher antes do outro. Only By The Night é um disco que corre riscos, em que eles deixam a influência sulista e procuram MGMT, Radiohead e Crystal Castles. As letras, agora mais diretas, falam não só de sexo, mas de política, dos EUA, e até questionam a religiosidade dos moços - "Jesus don't love me", canta Caleb em "Cold Desert".
A enorme fala do baixista Jared é ainda mais esclarecedora: "The sound that we have now is what we've always wanted to sound like, it was just that, on those first two records, we weren't good enough to pull it off. People think that being big-sounding isn't 'cool' and you're somehow getting away from what you once were. But all the biggest bands in the world, like The Beatles ou Led Zeppelin, sounded fucking huge. We don't want to sound 'vintage' any more, we don't want to be a novelty band". Até quando uma banda tem que continuar fazendo o mesmo som?
Isso vai ser o tema do primeiro podcast temático que colocarei aqui, em breve.
Versão americana e mais sem graça

Se alguém quiser, posso escanear a matéria da NME e colocar aqui.

PS.: Não traduzi algumas partes porque achei que não ficaria tão bom, mas se alguém quiser, posso traduzir também.

Um comentário: